segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Timoneiro do Mundo



Timoneiro de Mundo



Senhor das esperanças infinitas
Da aurora do meu ser quase liberto
Do casulo da lagarta, já borboleta
Com a luz do coração quase desperto.


Senhor das ânsias, de minha alma
Do teu sorriso doce, que pressinto
Perfumadas brisas me confortam
De túnica brilhante e manto lindo.


Senhor das águas, fogo e terra
Guia de caminhos redentores
Em suave canto, sobre as estrelas
Ressurge vitorioso sobre as dores.


Senhor capitão do barco, mundo
Comandante daqui e do infinito
Que na escuridão das densas trevas
Fizeste com estrelas, um céu bonito.


Que canto... que luz... que natureza...
Que ofusca os olhos, tantas cores
Como pode senhor, tanta bondade
Transformar com amor, profundas dores.


Olhamos meu Deus o entardecer
Transformar o dia, em noite escura
Que a vida toda se esconde dela
Por medo de amargas desventuras.


Tua paz silenciosa, no alvorecer
Que fez nascer o sol, energias novas
E novo aroma das flores e gramíneas
Porque a vida na noite se renova.


Oh! doce despertar, após a vida
Tão feliz o viver, nesses recantos
Que no chão as luzes, são estrelas
Cantam os corações, novos cantos.


Que olhar... que riso.. que doçura
Que debalde os cegos ignoram
Que à desgraça, não entregas os filhos
Que, por orgulho, no inferno se demoram.


Pois, busca-os nas entranhas do mundo
Com o cajado na mão e tocha em riste
Sua falange dispersa nos umbrais
Tirando-os do lodaçal, em cenas tristes.


Quem pode resistir à luz, tão nobre
Que não julga do ser, o crime grave
Importa velo singrando as trevas
Salvando os infelizes, em sua nave


( ACA )
Fonte: Cacef - Casa de Caridade Esperança e Fé

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

VIOLETAS-DOS-ALPES




Nos dias que transcorrem, a Organização Mundial de Saúde afirma que a grande pandemia é a depressão.

É de nos perguntarmos por que, num mundo onde a tecnologia melhorou o nosso conforto e ampliou a possibilidade de comunicação, isso ocorre.

Temos as casas iluminadas pela luz elétrica, os ambientes aquecidos nos dias invernosos e refrigerados para os dias de calor intenso.

Rádio, televisão, internet, celulares, tudo nos informa do que ocorre, em qualquer lugar do mundo, em tempo real.

Vencemos grandes distâncias em modernas aeronaves, em poucas horas. Atravessamos oceanos, mares, fronteiras.

A indústria farmacêutica desenvolveu medicamentos para nos diminuir a dor e curar muitos males.

Por que somos, então, tão depressivos? O que nos falta para sermos felizes, para vivermos a felicidade?

Conta-se que rica dama da sociedade entrou em profundo estado de depressão. Apreensivos, os familiares procuraram o psiquiatra mais famoso, a fim de que a fosse tratar.

Ele chegou na casa e a viu largada sobre o leito. Pediu licença para conhecer toda a casa.

Observou que as paredes eram pintadas com tons escuros, cinza. Sobre a mesa da sala, amontoavam-se cartas, telegramas, cartões, ainda fechados.

Do lado de fora, ele encontrou um jardim de inverno e, em múltiplos vasos, havia plantas muito belas, com flores elegantes.

Ele as identificou: eram Violetas-dos-Alpes. Muitas.

Retornou ao quarto da sua paciente e começou a conversar.

Ela lhe confessou que as cores escuras da casa traduziam o estado da sua própria alma. Ela estava triste. Tudo devia mostrar tristeza.

Quando ele mencionou as Violetas-dos-Alpes e as elogiou, ela disse que vivia somente por causa delas. Eram sua única razão de viver.

Todos os dias, ela levantava da cama, cuidava daquelas flores e depois voltava para o leito, abraçando a sua depressão.

Ele propôs um tratamento especial. Nada de remédios. Mas, a partir daquele dia, a fez prometer que abriria os convites que recebesse e, mesmo não indo a nenhum aniversário, casamento ou formatura, mandasse um vaso com Violetas-dos-Alpes.

Para a família, recomendou que instruísse amigos e parentes a ela enviarem muitos convites, de toda e qualquer cerimônia.

Ela cumpriu a promessa e para cada convite que chegava, mandava um vaso com suas violetas. Depois de algum tempo, os vasos acabaram.

Ela precisou ir à floricultura comprar mais vasos, mudas. Encontrara um objetivo para sua vida.

Quando morreu, dez anos depois, o jornal da cidade estampou a notícia: Morreu a dama das violetas. Deixou uma linda herança da sua vida.

Em todas as casas de nossa cidade, há um vaso de violetas.

* * *

Quando nos dispusermos a fazer alguma coisa pelas pessoas, pelo mundo, por alguém, encontraremos um alto objetivo para nossas vidas.

E descobriremos a alegria de produzir beleza, de produzir felicidade. Nesse dia, baniremos a depressão e principiaremos a viver na Nova Era, a era da felicidade, da alegria.

Talvez seja importante nos indagarmos: Para quem vou mandar, hoje, um vaso de violetas?



Redação do Momento Espírita, com narração
de fato relatado por Divaldo Pereira Franco, no
seminário Amanhecer da nova Era, desenvolvido em
Bonn, Alemanha, no dia 11 de maio de 2013.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

TOMADAS



Tomadas


Para que a luz do bem se faça correta na sua lâmpada mental, é imprescindível que você corrija as imperfeições dos condutores. Basta, somente, que não se descuide de atender aos humildes deveres de fiscalização dos condutores, para que brilhe no seu mundo íntimo a nobre claridade da paz.

Portanto, ore: “a prece é um ato de adoração.”

“Orar a Deus é pensar nEle; é aproximar-se dEle; é pôr-se em comunicação com Ele!”



O pensamento firme é fio de alta tensão com potência valiosa.

Discipline-o, para que dele se utilize na indústria superior do bem.



As ondas vibratórias sempre envolveram o orbe até que Hertz, descobrindo-lhes as leis, as oferecesse à sociedade. A energia hidráulica sempre existiu nas quedas de água até que o homem a utilizasse em favor do progresso.

No entanto, as ondas vibratórias, que conduzem sons e melodias fascinantes, espalham, também, calúnias e apreensões. E a força elétrica que favorece o conforto é utilizada, igualmente, na extinção da vida.



Disciplina da mente – realização nas mãos.

“As três coisas você pode propor-se por meio da prece: louvar, pedir, agradecer”.

A Misericórdia Divina é inesgotável – confie nela.

Corrija, desse modo a posição das tomadas psíquicas, para que a energia do Senhor chegue ao seu mundo, inundando-o de clara e pura luz.


Autor: Marco Prisco
Psicografia de Divaldo Franco. Do livro: Legado Kardequiano

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Dádiva



Há os que dão pouco do muito que possuem, e fazem-no para serem elogiados, e seu desejo secreto desvaloriza suas dádivas.
 
Há os que pouco têm e dão-nos inteiramente.
 
Esses confiam na vida e na generosidade da vida e seus cofres nunca se esvaziam.
 
Há os que dão com alegria e essa alegria é sua recompensa.
 
Há os que dão com pena, e essa pena é seu batismo.
 
E há os que dão sem sentir pena, nem buscar alegria e sem pensar na virtude.
 
Dão, como num vale o mirto espalha sua fragrância no espaço.
 
Pelas mãos de tais pessoas Deus fala; e através de seus olhos Ele sorri para o mundo.
 

                                                                   (Khalil Gibran)

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Amizade...



"A amizade desenvolve a felicidade e reduz 
o sofrimento, 
duplicando a nossa alegria e dividindo
 a nossa dor"

 
Joseph Addison
Fonte: Alma Celta

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Reflexão...



Dê um pouco de si ao viver seus dias.

Permita que o mundo sinta o seu perfume de bondade.

Cada pessoa tem uma missão, se não sabe a sua, encontre-a ao olhar o mundo 
com boa vontade. 

Dando uma chance a ele e a você.


Fonte: Caminhos de Luz

Luz do Dia



Sejamos gratos pelo amor que despertamos nos outros.

É uma dádiva ser amado, é uma honra sentir amor.

Quanta luz compartilhamos, quantas palavras de mel,quanta alegria...
sei que é real, sentimos falta, sabemos dos gostos, entendemos os humores, descobrimos num olhar, no tom da voz, todo um oceano de sentimentos... somos amigos, somos irmãos, juntos, temos tudo! 

Somos Um!

Fonte: Caminho de Luz